Docente do ensino médio terá tablet


MEC afirma que entregará 598 mil aparelhos a partir do segundo semestre deste ano a professores da rede pública de todo o País


Marta Salomon - O Estado de S. Paulo
BRASÍLIA - Até o final do ano, todos os professores de ensino médio das escolas públicas do País deverão ter em mãos tablets com acesso a material didático para melhorar o conteúdo das aulas. O Ministério da Educação (MEC) prevê a compra e a entrega de até 598.402 tablets a partir do início do segundo semestre. Esse é o número de professores do ensino médio. Parte deles já conta com o equipamento, comprado pelas secretarias estaduais.

O novo projeto de educação digital foi anunciado ontem pelo ministro Aloizio Mercadante. "Começar pelo professor é mais seguro", disse o ministro. O projeto usará licitação realizada no ano passado para a compra dos tablets de sete polegadas para os professores a um custo entre R$ 276,99 e R$ 278,90 cada um, dependendo da região do país.
Tablets maiores, de dez polegadas, do tamanho de um Ipad, também serão distribuídos às escolas para o uso associado a uma espécie de projetor com acesso à internet, chamado de lousa digital. A estimativa de gasto com o projeto é de aproximadamente R$ 180 milhões neste ano. "Para o tamanho do orçamento do MEC, isso é nada", calcula Mercadante, insistindo em que o dinheiro está garantido.
As empresas Digibras e Positivo ganharam o pregão para a venda dos tablets, cujo resultado foi anunciado no final de janeiro. Os computadores terão saída para vídeo e entrada USB, além de bateria com duração de seis horas. Antes de serem distribuídos, os tablets vão receber conteúdos, como as aulas de física, matemática, biologia e química da Khan Academy, previamente traduzidas. Os professores também terão acesso à edição diária de jornais nacionais e locais.
Num primeiro momento, receberão os equipamentos só os professores de escolas que já contam com laboratório de informática e acesso à banda larga. As escolas aptas representam 82% do universo de 62.230 estabelecimentos localizados nas cidades. As escolas da zona rural contarão com programa específico, a ser anunciado posteriormente.
"Não adianta dar o tablet, que é uma espécie de torneira, sem que haja canos nem uma caixa d'água disponíveis", comparou o ministro da Educação, sem estabelecer prazos para a distribuição de tablets aos professores do ensino fundamental. Não há previsão de entrega dos computadores aos alunos da rede pública.
Nova prioridade. Diferentemente dos programas de inclusão digital desenvolvidos na gestão Fernando Haddad, a prioridade agora é o professor. E sobretudo do ensino médio, considerado mais problemático por Mercadante. "A evasão no ensino médio é grande, os indicadores não são bons e a escola não está atrativa: é um grande nó que precisamos desfazer."
As chamadas lousas digitais, projetores com acesso à internet e material para melhorar o conteúdo das aulas, começaram a ser distribuídos a 10 mil escolas no final do ano passado. "É nesse ano que o projeto vai ganhar escala", disse o ministro, que afirma ter detalhado o programa em apenas nove dias, desde que assumiu o Ministério da Educação.
"É importante definir uma estratégia sólida para preparar a nova geração para a tecnologia da informação. Queremos acelerar o processo, mas sem atropelos, sabendo que a tecnologia não é um objetivo em si", diz. O lema do programa é "Na educação, inclusão digital começa pelo professor". 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aluna de 13 anos é filmada fazendo sexo em escola de São Paulo

Veja a relação de aprovados no Exame da Ordem em Sergipe