Renan é eleito de novo para presidir o Senado Federal


Agência Senado
Renan foi eleito com maioria folgada para presidir o Senado pela terceira vez
Confirmando seu favoritismo, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) foi eleito nesta sexta-feira, 1º, presidente do Senado Federal para o biênio 2013-2014. Renan, que vai assumir o posto pela terceira vez, substitui o senador José Sarney, também do PMDB do Amapá, que presidiu a Casa nos últimos quatro anos. Na disputa contra o senador Pedro Taques (PDT-MT), Renan obteve 56 votos, enquanto o pedetista obteve 18 votos. Dois nulos e dois em branco.
Ao defender sua candidatura, aclamada na quinta pela bancada do PMDB, Renan enumerou algumas de suas propostas, como a criação de uma Secretaria da Transparência, para atender as demandas da sociedade. Ele disse que vai colocar na pauta da Casa uma série de medidas destinadas a remover do Brasil o que chamou de "entulho burocrático". Renan apresentou para os senadores quatro eixos propositivos com a finalidade de fortalecer o Senado.
Na área administrativa, que definiu como primeiro eixo, disse que pretende continuar e aprofundar reformas iniciadas por José Sarney em busca da racionalidade e da modernização administrativa. O segundo eixo de proposições é a instituição da Secretaria da Transparência, "sem custo para o Senado", com o objetivo de cuidar das demandas da sociedade relativas à Lei de Acesso à Informação. Ele comparou a proposta à criação da TV Senado por Sarney.
Prioridades
O terceiro eixo é o das prioridades legislativas, tendentes a reforçar o papel do Senado como Casa da Federação e a contribuir para a modernização e aumento da competitividade do país. Renan Calheiros disse que pretende regulamentar o papel do Senado na avaliação periódica do sistema tributário nacional - iniciativa que considerou fundamental para avaliar a justiça fiscal e o impacto da política tributária na redução das desigualdades.
O candidato do PMDB defendeu ainda a criação de um banco de dados federativos, proposta já aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Segundo Renan Calheiros, esse instrumento permitirá uma votação mais qualificada de matérias como o novo rateio dos fundos de Participação dos Estados (FPE) e dos Municípios (FPM), além do novo arranjo para a dívida dos estados.
Modernização
Renan Calheiros quer também uma nova Lei das Finanças Públicas, porque considera a atual, de 1964, desatualizada, e um novo marco regulatório para a área de ciência, tecnologia e inovação, para melhorar a competitividade do país. Ao afirmar que o Brasil "padece sob a cruz da burocracia excessiva", o candidato do PMDB defendeu um conjunto de iniciativas para mudar esse quadro. O Código Comercial, exemplificou, é do tempo do Império e precisa ser modernizado. A Lei da Arbitragem, segundo ele, também precisa ser atualizada.
O quarto eixo anunciado por Renan Calheiros é o "compromisso permanente" do Parlamento com a democracia e com a liberdade de expressão. Segundo ele, o Congresso será uma barreira permanente contra qualquer iniciativa contrária a esse compromisso. Após ter confirmada sua eleição, Renan abre na segunda-feira, dia 4, o ano legislativo no Congresso Nacional. Na mesma sessão foram eleitos os demais membros da Mesa Diretora do Senado.
 
por Assessoria com Agência Senado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORIGEM DE PROPRIÁ - SE

Caminhão furtado em Porto Real do Colégio é recuperado em Propriá/SE