Mendonça desafia JB para debater política

Ao classificar o deputado federal Jackson Barreto (PMDB) de “covarde”, o deputado federal Mendonça Prado (DEM) o desafiou para um debate no momento e no local que o peemedebista desejar. “Quero perguntar se ele lembra quando chamava (o governador) Marcelo Déda de maconheiro, irresponsável e mauricinho, por ter votado a favor da sua cassação como prefeito de Aracaju”, afirmou Mendonça, durante entrevista coletiva à imprensa, convocada pelos democratas para esclarecer as declarações feitas nos últimos dias pelo ex-governador João Alves Filho (DEM), e que tiveram uma repercussão polêmica e negativa.

“Quero perguntar se ele (Jackson) lembra, também, que entre 1988 e 1989, chamava (o senador Antônio Carlos) Valadares, nos quatro cantos de Sergipe, de assassino. Dizia que o senador tinha matado a sua mãe. Agora, esse cidadão quer dar lição de moral? Ora, a sociedade não aceita mais esse tipo de gente e de discurso”, reagiu Mendonça, ao pedir desculpas aos prefeitos sergipanos e à sociedade pelo fato de João ter aconselhado os administradores a continuarem “mamando” no atual governo e só virem para o seu lado no ano que vem.

Para Mendonça, a repercussão e críticas feitas às declarações do ex-governador não passam de hipocrisia. "No livro ‘Viagens com o Presidente', observamos que há um depoimento do presidente Lula dizendo: ‘eu quero fu ...' com João Alves. E outro dia ele mencionou ‘sifus', e eu não vi ninguém orquestrar uma ação por conta dessas palavras do excelentíssimo senhor presidente", comparou, ao citar várias outras expressões grotescas citadas por outros políticos.

Ele disse que os próprios democratas estranharam o fato de João ter se referido aos prefeitos de Sergipe como ‘mamateiros'. "Ficamos surpresos, porque o ex-governador João Alves, todos sabem, tem grande carinho pelos prefeitos. Hoje, João entende que não deveria ter usado esse termo. E todos os integrantes do nosso partido têm essa compreensão, de que, realmente, houve um excesso".

Apesar da mea culpa, Mendonça lembrou que políticos de vários setores já utilizaram a palavra mamata. “O próprio PT, em um das suas notas divulgadas pela imprensa, fala de mamata. Outra nota do Sintese (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Sergipe) diz que existe muita gente mamando. Mesmo assim, entendemos que palavras como essas devem ser evitadas. Ainda mais porque todos os prefeitos merecem respeito", afirmou o parlamentar democrata.

Exemplos de mamateiros

A exceção, de acordo com Mendonça, pode ser aplicada ao prefeito de Santana do São Francisco, Ricardo Roriz (PT), que preside uma das associações que agrega administradores municipais. “Ele representa a Associação de Prefeitos e também a construtora que trabalha para a Secretaria de Estado da Saúde e trabalhava para a Secretaria de Saúde do município.

De acordo com o deputado, Ricardo Roriz “é o maior exemplo de mamata desse Estado. E eu desafio o governador (Marcelo Déda) a instalar uma CPI para verificar como está se dando o processo licitatório em Santa do São Francisco".

Para ele, “a primeira vaca é o Palácio do Governo. E uma das maiores de Sergipe é a Secretaria de Estado da Saúde. Não é uma Secretaria, é uma verdadeira vaca. O Palácio do Governo é a teta gorda. E a Secretaria da Fazenda é outra vaca que paga essas remunerações exorbitantes, enquanto o povo pobre não tem dinheiro nem para comprar um remédio. A SMTT (Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito) também. Não é só uma vaca, são as próprias tetas da vaca”, atacou o parlamentar.

Mendonça mostrou uma extensa lista com nomes de pessoas, que segundo ele “mamam” nas tetas do governo do PT. “Aqui estão os nomes dos mamadores, mas eu vou preferir não citá-los”, disse, ao exibir um documento, ilustrado com o desenho de uma vaca. “Não quero prejudicar ninguém, mas eles sabem quem são", completou o parlamentar.

Fonte: Jornal da Cidade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Veja a relação de aprovados no Exame da Ordem em Sergipe

Caminhão furtado em Porto Real do Colégio é recuperado em Propriá/SE

ORIGEM DE PROPRIÁ - SE