Militância do PT não é mais a mesma


Em Aju, prévia não despertou interesse
Ninguém tem duvida que o método usado pelo Partido dos Trabalhadores para definir seus pré-candidatos a prefeito em todo país é democrático. O PT tem como em sue estatuto o socialismo, não baseado em apenas uma vertente filosófica, mas como prática principal o Estado Democrático, brindando com possibilidades mais amplas para todos os trabalhadores de participar ativamente de suas decisões.
A prévia é o ápice da democracia interna. É fato incontestável também a vitória do deputado federal Rogério Carvalho na prévia realizada no último sábado,24.
Porém, essa ação democrática interna do PT de Aracaju acabou mostrando algo que  deve ser avaliado, não só pelas lideranças do partido, mas pelo governador petista Marcelo Déda. Ele encontra-se em viagem a Índia na comitiva da presidente Dilma, mas quando retornar terá que encontrar o caminho do seu partido em Aracaju.
O PT tem mais de quatro mil filiados em Aracaju. Aptos a votar no último sábado estavam cerca de 1.280 filiados. E só votaram 651 filiados. Sendo 408 para Rogério Carvalho e 243 para Ana Lúcia. Apenas 15% dos filiados. Qual o motivo? Os pré-candidatos não empolgaram a militância? Decepção com o governo petista? A militância petista que sempre foi exemplo de garra e vigor preferiu “hibernar” em plena ação democrática do partido.
Ou seja, dos aptos apenas a metade teve a coragem de participar das prévias. E mais cerca de três mil não estavam aptos por falta de contribuição partidária. E aí fica a pergunta: se o partido é poder nas instâncias estadual e municipal e a maioria esmagadora de sua militância não contribui, algo está errado.
O PT e todos os outros partidos aliados devem colocar à mesa seus pré-candidatos. As lideranças devem pensar muito para tentarem um consenso. Para isso tem que deixar de lado as questões pessoais e partidárias.
Sem pensar que tem a verdade absoluta, mas pensando também em noções básicas como tempo e espaço. Não como teses de física e de matemática, mas de objetivos que reflitam no consenso do grupo que comanda o Estado e o município de Aracaju. Aliás, Marx, analisou bem a tese das verdades relativas que compõem pouco a pouco a verdade absoluta.
Quando este espaço publicou que é preciso que Marcelo Déda assuma a sucessão em Aracaju, não como petista, mas como líder maior de um bloco de alianças, alguns petistas fizeram duras criticas.
As prévias serviram para mostrar que a militância petista não está satisfeita em Aracaju.  Um problema para o militante Marcelo Déda resolver quando retornar da viagem a Índia. Se atualmente o caminho para a Índia não é mais difícil como na época de Pedro Alves Cabral, o mesmo não se pode dizer do caminho do PT em Aracaju.
A maioria esmagadora da militância deu o sinal claro que acendeu a luz, não vermelha (que é a cor do partido), mas a luz da insatisfação e da decepção política.
Fonte: Cláudio Nunes/Infonet

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORIGEM DE PROPRIÁ - SE

Caminhão furtado em Porto Real do Colégio é recuperado em Propriá/SE